O SÉCULO XIX E OS INÍCIOS DA EDIÇÃO DE ROMANCES NO BRASIL: BREVE ESTADO DA QUESTÃO

Bruno Belmonte

Resumen


A edição de romances tradicionais ibéricos se inicia no Brasil em meados do século xix, sob inspiração de pesquisadores portugueses como Almeida Garrett e Teófilo Braga. Partindo de um texto de Braulio do Nascimento que analisa, no ano do centenário das primeiras edições, o contexto da chegada e desenvolvimento das pesquisas deste gênero poético tradicional, pretendemos contribuir com novos elementos para uma análise deste momento pioneiro.

As principais obras que publicaram romances tradicionais recolhidos no Brasil no século xix são de Celso de Magalhães e Silvio Romero. Tencionamos, a partir de uma análise histórica e epistemológica, compreender a produção destes intelectuais inseridos em um momento em que a consolidação de um fenômeno nacional, que abrangeu aspectos sociais, culturais e raciais, foi a tônica do pensamento científico.

A partir desta análise, podemos refletir sobre as convergências desta concepção teórica com o estudo do romanceiro do Brasil, bem como levantar alguns dados a partir da comparação das edições portuguesas e brasileiras deste período.


Texto completo:

PDF

Referencias


ARP: Arquivo do romanceiro em Português. Acedido a 2/12/2021, de https://arquivo.romanceiro.pt/

Barreto, C. M., Magalhães, A. S., Souza, E. C. e Lima, L. E. A. (2019). O Polêmico Sílvio Romero (Trabalho de conclusão de graduação não publicado). Universidade Tiradentes, Aracaju - Brasil.

Belmonte, B. (2020). Subsídios para o arquivo do romanceiro no Brasil (Dissertação de Mestrado não publicada). Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve – Portugal.

Bolsanello, M. A. (1996). Darwinismo social, eugenia e racismo “científico”: sua repercussão na sociedade e na educação brasileiras. Educar, Curitiba, n.º 12, Editora da UFPR, 153-165.

Costa, J. C. de C. (2006). Sílvio Romero e a “idéia das três raças”: uma hermenêutica do nacional a partir da categoria miscigenação. Cronos, Natal-RN, v.7, jan./jun., 135-149.

Ferré, P. (2006). Etapas en la edición del Romancero potugués. Madrid: Editorial Complutense. Recuperado de https://sapientia.ualg.pt/handle/10400.1/2927

Ferré, P. (2008). O Romanceiro em Portugal (1960-2007). Center for Portuguese Studies, University of California at Santa Barbara.

Ferré, P. (2020). Algumas notas a propósito de «Processos de variação» de Braulio do Nascimento. In S. Boto, J. A. Cid, P. Ferré, (Coords.) Viejos son pero no cansan: Novos estudos sobre o romanceiro (pp. 61-75). Coimbra-Madrid-Faro-Lisboa.

Fontes, M. da C. (1994). O Romanceiro Brasileiro. Pequeno catálogo. Revista de Dialectología y Tradiciones Populares, XLIX. 1, 221- 249.

Garrett, J. B. da S. L. de A. (1851). Romanceiro, II, Lisboa: Na Imprensa Nacional.

Magalhães, C. (1873, abril 15). A poesia popular brasileira. O Trabalho, 3-4.

Magalhães, C. (1873, abril 30). A poesia popular brasileira I. O Trabalho, 12-13.

Magalhães, C. (1873, maio 31). A poesia popular brasileira III. O Trabalho, 27-29.

Magalhães, C. (1873, junho 15). A poesia popular brasileira IV. O Trabalho, 35-37.

Magalhães, C. (1973). A poesia popular brasileira. Rio de Janeiro: Divisão de publicações e divulgação.

Menéndez Pidal, R. (1968). Romancero Hispánico. Hispano-portugués, americano y sefardí. (2ª ed.). Madrid: Espasa-Calpe, S. A.

Nascimento, B. (1973). Um século de Pesquisas do Romanceiro Tradicional do Brasil. Revista Brasileira de Cultura, nº 17. Julho/Setembro, 37-54.

Nunes, M. M. (2020). Interfaces entre a poesia épica, o romance e o romanceiro em paratextos do século XIX. Ver. Bras. Lit. Comp. Niterói, v. 22, n. 40, mai./ago., 84-103.

Paredes, M. de M. (2006). A Querela dos Originais: notas sobre a polêmica entre Sílvio Romero e Teófilo Braga. Estudos Ibero-Americanos. PUCRS, Edição Especial, n. 2, 103-119.

Romero, S. (1883). Cantos Populares do Brazil, acompanhados de introdução e notas comparativas por Theophilo Braga. (1ª ed., Volume I). Lisboa: Nova Livraria Internacional.

Romero, S. (1883a) Cantos Populares do Brazil, acompanhados de introdução e notas comparativas por Theophilo Braga. (1ª ed., Volume II). Lisboa: Nova Livraria Internacional.

Salles, V. (1971). José Veríssimo e o Folclore. RBFo.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2021 Bruno Belmonte

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento 4.0 Internacional.

www.cerotec.net